Wednesday, September 05, 2007


Estamos no espaço rejeitado, querendo estar em outro lugar. Gota d'agua na minha boca. Sinto meu lugar com o poder do corpo. Este mesmo que nos enclausura. Mais um gole. Sede eterna de todas as gargantas. Caixa de Kellogg's no chão, caixa do presente, da surpresa, caixa do resto. Está tudo abandonado ao chão do apartamento de um quarto no cortiço central do coração dela. E cada caveira que foi uma vida, pronuncia seu nome esmagado entre os dentes de maxilares imóveis. Todos iguais. Guardam as cinzam que serei um dia. Hei de me libertar desta morada inóspita. Corpo, caixa, coração.
Kasimir MALÉVITCH 1878-1935
Composition : Blanc sur blanc, 1918 ?

2 comments:

Zé Ninguém said...

Visita de cortesia de Zé ninguém à companheira de blog (c5p)

Melhores cumprimentos

Má índole para os plácidos. said...

Li tudo que estava aparente.
Preciso degustar e provar novamente para decifrar o que
as sensações provocadas quizeram dizer... todas, quero compartilhar isso. É diferente agora. Ka.